top of page
  • Foto do escritorMuseu Banksy

Como situar Banksy no mundo da arte?

O que é a arte hoje em dia e quem é que a faz? Qual é o lugar de Banksy no mundo da arte? Banksy defende que estamos a viver numa época revolucionária em que a arte pertence a todos e não apenas à elite. A sua arte, embora acessível, também estabelece ligações entre o nosso mundo contemporâneo e a história da arte. Da rua às instituições de prestígio (lembre-se de "love is in the bin" na Sotheby's), eis como Banksy conseguiu inserir-se de alguma forma no mundo da arte.


Uma colagem baseada num quadro clássico da Aula de Dança de Edgar Degas.

X Fator Collage, 2009, exibido em Banksy vs. Bristol Museum, Bristol Museum, Bristol, 2009


O seu ponto de vista sobre a arte, um mundo burguês ...

Não há dúvida de que Banksy ajudou a arte de rua a evoluir de uma subcultura underground para um movimento reconhecido internacionalmente. As suas contribuições desempenharam um papel inegável no reconhecimento da arte de rua como uma forma respeitada de arte contemporânea. As suas criações tendem muitas vezes a gozar com a nossa sociedade e com o mundo da arte, de modo a confrontar, sem limites, os males da nossa sociedade. A sua estratégia: desarmar a guerra através do humor. Em 2010, numa entrevista à revista Wired, afirmou que estamos a viver uma época revolucionária na arte:


"Há todo um novo público lá fora, e nunca foi tão fácil vendê-lo, particularmente nos níveis mais baixos. Não é preciso ir para a universidade, arrastar um portefólio, enviar folhas de acetato por correio para galerias de luxo ou dormir com alguém poderoso. Tudo o que se precisa agora é de algumas ideias e uma ligação de banda larga. Esta é a primeira vez que o mundo da arte, essencialmente burguês, pertence ao povo. É a primeira vez que o mundo da arte, essencialmente burguês, pertence ao povo. Temos de o fazer valer".

É um convite à nova geração de artistas para criar, contrariando os mercados de arte, com novas formas de arte, incluindo o vandalismo através de graffiti ou stencils.


As suas piscadelas de olho ao mundo da arte

Embora Banksy afirme que nunca frequentou aulas de arte, isso não significa que tenha entrado no mundo da arte sem qualquer conhecimento ou inspiração da história da arte. De facto, fez inúmeras reinterpretações de obras-primas clássicas. Vamos conhecer algumas das suas obras mais famosas, que prestam homenagem à história da arte.


Em 2015, Banksy prestou homenagem às vítimas do Bataclan, criando "Girl with a Veil". Esta peça, pintada numa das portas de saída do Bataclan, inspira-se claramente na escultura em mármore do artista italiano Giovanni Battista Lombardi, de 1869. Apresenta uma mulher com um véu de renda a cobrir parcialmente o rosto, conferindo uma aura mística e protetora ao stencil de Banksy.


Outra referência à história da arte pode ser encontrada em "Ballerina with Action Man Parts", uma escultura de 2005 em que Banksy reinterpreta "Little Dancer" de Edgar Degas, criada entre 1879-1881. Na versão de Banksy, a jovem bailarina é confrontada com os desafios do nosso mundo moderno, usando simultaneamente o seu fato de ballet e uma máscara respiratória, símbolo das crises ecológicas que enfrentamos atualmente.


Como último exemplo, "Mobile Lovers" (2014) apresenta semelhanças com a obra "Eye in Eye" de Edvard Munch, criada em 1899-1900. A obra original de Munch retrata dois amantes a olharem fixamente para os olhos um do outro, sem boca no rosto. Na interpretação de Banksy, a troca silenciosa mantém-se, mas em vez de se olharem fixamente, os amantes são cativados pelo brilho dos seus telemóveis.


Uma comparação entre a obra de Banksy, em que um casal se abraça enquanto olha para o telemóvel, e uma obra de Edvard Munch, em que o casal se olha intensamente.

Banksy "mobile lovers" vs "Eye in Eye" de Edvard Munch

Inventar um novo movimento artístico

Quando questionado sobre o seu lugar no panorama artístico, Banksy responde com a sua sagacidade caraterística:

"Nunca frequentei uma faculdade de arte e não pertenço a uma família de artistas - nunca tive os contactos necessários para fazer parte do mundo da arte".

Enquanto alguns críticos classificam o trabalho de Banksy como "postmodernist art" (arte pós-modernista), ele rejeitou esse rótulo e criou um novo termo: "pest modernism" (modernismo de praga). Este termo faz-nos lembrar o animal preferido de Banksy: o rato. O novo termo artístico de Banksy serve para amplificar vozes frequentemente suprimidas pela competição e pelo consumismo da nossa sociedade. É um convite para fazer da arte um ato de parasitismo, uma infestação - uma rebelião contra a institucionalização do mundo da arte. No domínio do graffiti, todos os artistas têm uma palavra a dizer, contribuindo para a "praga". Com o tempo, os críticos e as galerias passaram a reconhecer o significado histórico do graffiti e da arte de rua, acolhendo o género no mundo da arte mais institucionalizado. No entanto, muitos artistas de graffiti continuam a trabalhar fora dos limites ditados pelo mundo da arte. No entanto, "RATS" (RATOS) é também um anagrama de "ARTS"...

"Há três anos que ando a pintar ratos, até que alguém me disse: "Que inteligente! é um anagrama de arte' e tive de fingir que sempre soube disso".

Fingir também faz parte do jogo da arte. Como muitos outros jogos.







Comments


  • Facebook
  • Instagram
bottom of page